Muita além da oratória

maio 23, 2020 conexão

Muitas pessoas confundem as técnicas de performance com oratória. Oratória é apenas uma  DAS técnicas, mas como foi a dominante durante muitos anos, passou a encarnar todas as outras. E o que tem de diferente na Performance Imersiva, que é a técnica que nós usamos aqui na Mediapool?

Na oratória, uma técnica serve para todos, como se fosse uma verdade universal: “para alcançar as pessoas tem que gesticular dessa forma, falar nessa entonação…” Os ‘oradores’ ficam parecendo todos meio iguais e  a plateia também não é tratada nas suas particularidades.

Na performance imersiva, respeita-se as características fortes de cada um. Todos nós temos situações em que nos comunicamos melhor: tons, gestos, posturas. Detectamos esses pontos fortes e positivamos para que apareçam mais. Claro que também acrescentamos repertórios, mas, no fim, a ideia é valorizar o que cada um tem de autêntico.

A imersão acontece também em relação à plateia. Nem toda plateia é igual. E: dentro da plateia podemos ter diferentes perfis que se expressam com diferentes características.  Perfis que consomem e assimilam a mensagem de diferentes maneiras. Investir numa performance que agrade pelo “denominador comum” é perder força – diminuir o potencial de engajamento.

Para engajar 100% precisa ir até o mundo de cada um desses perfis e encontrar a conexão certa para alinhar sua mensagem. Esse exercício começa na estruturação da narrativa, mas é a performance que garante que essa narrativa se conecte.

Quantas vezes você foi em uma reunião em que o que estava sendo dito fazia muito sentido, mas, mesmo assim, você não se conectou com as ideias? É porque faltou imersão. O interlocutor agiu como um protagonista, colocando-se em primeiro plano na forma de comunicar.

Na performance imersiva, o interlocutor é um mentor. O mentor busca as referências da plateia ( palavras, exemplos, motivos) para compor sua performance, inclusive ritmo, tempo de apresentação, tom de voz… Se eu me expresso como você se expressa temos uma zona de identificação muito maior e, com isso, um potencial de engajamento também maior.

 

 

 

 

Por Katia